Sétimo sentido de golfinhos é descoberto: conheça a eletrorrecepção

Golfinho-nariz-de-garrafa já era conhecido por seus seis sentidos, entre eles, a ecolocalização

17/01/2024

O sexto sentido é geralmente associado àquela sensação de “pressentimento” nos humanos. Nos golfinhos, contudo, esse “sentido a mais” é ocupado pela ecolocalização (depois do paladar, olfato, audição, visão e tato). Agora, chegou mais um para o espaço de nada menos que o sétimo sentido do golfinho-nariz-de-garrafa: a eletrorrecepção.

Essa habilidade recém-descoberta ajuda o animal de nome científico tursiops truncatus a caçar suas presas em espaços mais profundos do mar. Ela funciona como um “plus” da ecolocalização — que, por sua vez, permite à espécie detectar pequenos peixes a quase 100 metros de distância.

Mais animais podem ter o sétimo sentido

A busca pelo entendimento do sétimo sentido do animal começou ainda em 2011, quando um grupo de cientistas alemães descobriu que o golfinho costeiro — nativo do Atlântico Sul — era capaz de captar sinais elétricos. Parte da equipe que fez essa descoberta passou a acreditar que os golfinhos-nariz-de-garrafa também pudessem possuir a habilidade.

 

Segundo Guido Dehnhardt, diretor do Centro de Ciências Marinhas da Universidade de Rostock, na Alemanha — e um dos pesquisadores que associou a eletrorrecepção do golfinho costeiro ao golfinho-nariz-de-garrafa –, ambas as espécies seguem uma estratégia de alimentação bentônica, ou seja, comem peixes que vivem nas profundezas do mar.

Intrigado com o assunto, o pesquisador passou a investigar estudos com o golfinho-nariz-de-garrafa visando demonstrar que outros animais poderiam ter a mesma habilidade.

A eletrorrecepção não ocorre apenas numa espécie, mas é provavelmente uma capacidade da maioria das baleias com dentes– Guido Dehnhardt

Dehnhardt lembra que, em décadas passadas, as baleias cachalote — maior das baleias dentadas e o maior predador com dentes — sofreu com a presença de cabos submarinos no fundo do mar, quando dezenas delas morreram presas aos equipamentos.


A associação disso ao possível sétimo sentido do animal vem do fato de que as baleias cachalote também se alimentam de peixes do fundo do mar e, na busca por seu alimento, se deparavam com os cabos e acabavam morrendo.

Essa é uma primeira indicação da capacidade destes animais de perceber campos elétricos– Guido Dehnhardt

Atualmente, a morte do animal por consequência desse tipo de equipamento deixou de ser relatada. A explicação, segundo o pesquisador, é de que os sistemas telegráficos e telefônicos usavam cabos com núcleo de metal que geravam campos eletromagnéticos, o que explicava a atração das baleias — que acreditavam estar indo de encontro às suas presas.

 

Nos dias atuais, cabos de fibra óptica não geram mais esses campos no ambiente. É por isso que as cachalotes não se envolvem mais com eles.

Sétimo sentido é raro em mamíferos

A habilidade classificada para os golfinhos como “sétimo sentido” não é tão rara quanto parece. Na verdade, muitos peixes, raias, tubarões e alguns anfíbios também detectam campos elétricos de baixa intensidade.

 

Acontece que, entre os mamíferos — como os golfinhos e as baleias –, essa é uma habilidade considerada extremamente incomum. Tanto é que a ciência considera, além dos cetáceos, apenas dois mamíferos a possuir essa capacidade: o ornitorrinco e a equidna australiana — ambos monotremados, que põem ovos.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Sino de navio americano naufragado durante a Primeira Guerra Mundial é encontrado na Inglaterra

    Embarcação naufragou após ser atingida por submarino alemão; objeto será exposto no Museu da Marinha americana

    Com método inovador, jovem inventor quer acabar com plásticos no mar

    Irlandês criou equipamento para monitorar poluição aos 12 anos e foi premiado pelo Google aos 18; conheça

    Procurando um terreno? Ilha intocada na Patagônia Chilena está à venda

    Local tem cerca de 445 km², mais de 80 lagos, a Cordilheira dos Andes de fundo e custa aproximadamente R$ 173,6 milhões

    1ª embarcação capaz de produzir seu próprio hidrogênio está prestes a finalizar volta ao mundo

    Barco percorreu mais de 63 mil milhas náuticas só com energias renováveis

    Expedição realizada no Chile pode ter descoberto mais de 100 novas espécies marinhas

    Biólogos do Censo Marinho têm o objetivo de descobrir 100 mil novos seres do mar nos próximos 10 anos