Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

14/06/2024
Foto: Paulo Stefani / Prefeitura de Ilhabela / Divulgação

Considerada um dos únicos municípios–arquipélagos marinhos brasileiros, Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, reserva belezas naturais que impressionam ao primeiro olhar. Por lá, a ideia agora é construir a primeira usina de dessalinização do estado, visando abastecer cerca de 8 mil moradores de regiões remotas da cidade a partir de 2026.

Atualmente, segundo o Instituto Água e Saneamento, 69,6% da população de Ilhabela (com cerca de 35 mil habitantes) é atendida com abastecimento de água, enquanto a média do estado é de 96,6%.

 

A cidade ainda chega a receber 100 mil turistas na alta temporada, sendo um dos principais destinos do litoral paulista. Com a chegada de uma usina de dessalinização, esses dados devem mudar.

Foto: Ana Paula Hirama / Flickr / Reprodução

Através do projeto, a ideia é aumentar em 22% o volume atual de água tratada em Ilhabela, a partir da captação da água do mar. O projeto prevê a produção de 30 litros por segundo de água potável para a população, volume semelhante ao já praticado no arquipélago de Fernando de Noronha.

 

Em Noronha, há 20 anos a população conta com o consumo da água do mar, a partir de dessalinizadores que produzem 27 m³ de água por hora. Em 2014 houve ainda a construção de uma nova usina, aumentando a capacidade para 80 m³ por hora.

Para que o projeto tome forma também em Ilhabela, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) publicou um edital convocando empresas interessadas em construir no município o que seria a primeira usina de dessalinização do estado.

Como vai funcionar a usina de dessalinização em Ilhabela

A previsão é que a usina de dessalinização comece a operar em Ilhabela a partir de 2026, próximo à foz do Ribeirão Água Branca. O processo de osmose reversa, que deve ser aplicado na usina, é usado internacionalmente e traz uma tecnologia já amplamente empregada em locais como Dubai, Israel e na Califórnia, nos Estados Unidos.

Layout da dessalinizadora de Ilhabela, proposto em edital. Foto: Reprodução

Nessa tecnologia, a água é submetida à alta pressão e passa por membranas que retêm as partículas de sal, após passar por um outro processo: o de ultrafiltração — que retira as partículas e impurezas da água. Assim que o sal é retirado, o líquido é submetido a um tratamento que visa devolver os componentes minerais perdidos no processo anterior.

Antes de ser distribuída, a água passa também pelo processo de cloração, que, segundo a Fundação Nacional de Saúde, “consiste em utilizar produtos químicos à base de cloro, com o objetivo de inativar os micro-organismos patogênicos existentes na água”. A salmoura resultante do processo, por sua vez, é diluída e devolvida ao mar.

 

Para, enfim, chegar à população, a água já tratada deverá ser transportada para um reservatório na própria Estação de Tratamento de Água (ETA) Água Branca.


Ao Estadão, Kepler Borges França, coordenador dos Laboratórios de Referência Nacional em Dessalinização e de Membranas Cerâmicas da Universidade Federal de Campina Grande, na Paraíba, disse que “o sistema de membranas para dessalinização pode ser usado não apenas nas ilhas, mas nas cidades do litoral que têm problemas de abastecimento”.

Entendo que toda a rede hoteleira da costa deveria ser abastecida com água do mar dessalinizada. É um processo barato, e que hoje vem sendo usado com mais frequência– destacou Kleper ao Estadão

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Brasília Boat Show transformará a capital do país no epicentro do mercado náutico

    Primeira edição do salão no Centro-Oeste acontece de 14 a 18 de agosto, nas águas do Lago Paranoá; garanta seu ingresso!

    NX Boats desembarca nos EUA com sua maior lancha, a NX 50 Invictus

    Modelo de 50 pés com hardtop estreou recentemente em águas norte-americanas; estaleiro descreveu momento como “histórico”

    Professor larga tudo para dar volta ao mundo em veleiro de 8 metros

    Pelas redes sociais, Luke Hartley compartilha suas aventuras a bordo de uma 27 pés de 1976

    Mestra Boats exibirá grandes sucessos de 29 a 35 pés no Brasília Boat Show

    Estaleiro disponibilizará aos visitantes do evento náutico a Mestra 352 HT, seu maior modelo, e outros dois barcos bem resolvidos; confira

    No século 17, maior navio do mundo foi construído no Brasil e batizou o Aeroporto do Galeão

    Embarcação de guerra foi construída a pedido da coroa portuguesa, que buscava recuperar terras perdidas para a Espanha