Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

15/06/2024
Foto: Punta Faro / Divulgação

A beleza natural que cerca Santa Cruz del Islote atrai turistas e curiosos do mundo todo, levando ao local sua principal fonte de renda — e de problemas. Uma vista do alto do destino deixa evidente ao primeiro olhar o porquê da ilha colombiana ser considerada a mais densamente povoada do mundo. A falta de espaço se assemelha à ausência também de recursos e serviços.

Parte do arquipélago de San Bernardo, o destino fica dentro do Parque Nacional Corales del Rosario, a 3 horas de barco da popular Cartagena das Índias.

 

Santa Cruz del Islote é cercada por águas límpidas que mesclam tons de verde esmeralda com um azul turquesa. Por lá, o turismo, ao mesmo tempo que leva a principal fonte de renda a 825 habitantes, é também o responsável por trazer problemas socioambientais sem precedentes.

Foto: Uhkabu / Wikimedia Commons / Reprodução

Antes de atrair pessoas do mundo todo interessadas nas belezas naturais da ilha e curiosos com o estilo de vida dos habitantes, os moradores de Santa Cruz del Islote tinham a pesca como atividade principal — recurso que diminuiu devido à superexploração e destruição dos ecossistemas da ilha. Para se ter uma ideia, o local recebe diariamente cerca de 500 turistas — o que corresponde a 60% da população.

 

Os visitantes, geralmente, fazem passeios de um dia saindo de Cartagena ou Tolú, ou pernoitam nas ilhas vizinhas de Tintipán e Múcura — embora existam quatro pequenos hostels na ilha, que podem acomodar aproximadamente 20 pessoas.


Em 2011, o governo colombiano confirmou o impacto ambiental grave nas ilhas do arquipélago de San Bernardo. Medidas de proteção foram ordenadas, mas nenhuma ação foi efetivamente tomada até agora.

Como é viver em Santa Cruz del Islote

Viver em Santa Cruz del Islote é estar a anos-luz de distância dos hábitos vistos como comuns na sociedade de forma geral e a população sofre com a falta de infraestrutura, recursos e serviços. Por lá, além dos quatro hostels, há quatro lojas, uma arena de briga de galos, um posto de saúde, uma igreja e uma escola.

 

Há 70 anos, um incêndio destruiu todas as casas feitas de bambu e palha da ilha. Por sorte, ninguém ficou ferido. As estruturas foram reerguidas com materiais “melhores”: pedra, entulho e até lixo retirado do mar.

Foto: Uhkabu / Wikimedia Commons / Reprodução

A energia da ilha é fornecida por painéis solares e um gerador noturno. Apesar da presença de um posto de saúde com médico permanente, em caso de emergência os pacientes precisam ir para um hospital com melhor estrutura a bordo de um barco.

 

O local também não tem cemitério e, após um cortejo fúnebre pela cidade, os falecidos são levados para ilhas vizinhas.

 

Não há abastecimento de água potável — a população toma banho com a água salgada do mar. A cada dois meses e meio, a Marinha colombiana vai ao local e enche enormes tanques na ilha. Um comitê fica responsável por distribuir o líquido de forma igualitária para a comunidade, que também aproveita o período chuvoso para coletar águas pluviais em cisternas próprias.

Foto: Sofia Londonõ / Flickr / reprodução

A gestão de resíduos é ainda um dos maiores desafios em Santa Cruz del Islote. Apesar de a comunidade trabalhar para reduzir o impacto do lixo, sua separação para reciclagem ainda não é generalizada. Uma pessoa fica encarregada pela coleta do material, que posteriormente é transportado por ela mesma até a ilha de Tintipán.

 

Outro morador colabora com a separação dos recicláveis a cada 15 dias, que depois são levados de barco até Cartagena. No saneamento, o esgoto é direcionado para fossas sépticas que deságuam no mar sem tratamento, representando mais um problema ambiental.

 

De forma geral, Santa Cruz del Islote escancara os desafios de sustentar uma população densa em uma área pequena, ao mesmo tempo que mostra, na prática, como pode ser desafiadora a necessidade de equilibrar turismo com preservação ambiental.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Brasília Boat Show transformará a capital do país no epicentro do mercado náutico

    Primeira edição do salão no Centro-Oeste acontece de 14 a 18 de agosto, nas águas do Lago Paranoá; garanta seu ingresso!

    NX Boats desembarca nos EUA com sua maior lancha, a NX 50 Invictus

    Modelo de 50 pés com hardtop estreou recentemente em águas norte-americanas; estaleiro descreveu momento como “histórico”

    Professor larga tudo para dar volta ao mundo em veleiro de 8 metros

    Pelas redes sociais, Luke Hartley compartilha suas aventuras a bordo de uma 27 pés de 1976

    Mestra Boats exibirá grandes sucessos de 29 a 35 pés no Brasília Boat Show

    Estaleiro disponibilizará aos visitantes do evento náutico a Mestra 352 HT, seu maior modelo, e outros dois barcos bem resolvidos; confira

    No século 17, maior navio do mundo foi construído no Brasil e batizou o Aeroporto do Galeão

    Embarcação de guerra foi construída a pedido da coroa portuguesa, que buscava recuperar terras perdidas para a Espanha