Sea-Doo aposta no Brasil como uma das grandes potências do turismo náutico

Diversidade geográfica e proximidade da maioria dos brasileiros com as regiões costeiras animam a empresa

17/10/2023
Foto: Sea-Doo / Divulgação

Com mais de sete mil quilômetros de litoral, diversas belezas naturais e a maioria da população do país vivendo próximo às regiões costeiras, o Brasil tem tudo para ser um dos principais destinos de turismo náutico do mundo. Quem aponta isso entende do assunto: um time de peso de executivos da Sea-Doo, a marca de motos aquáticas da canadense BRP.

O gigante potencial do Brasil para o mercado de turismo náutico foi consenso entre Steve Palletier, Roberto Bruder e Fernando Alves — respectivamente, head global da Sea-Doo, head da marca na América Latina e Caribe, e head da Sea-Doo no Brasil. Os executivos compartilharam suas visões sobre o assunto durante entrevista no Estúdio NÁUTICA.

 

 

Steve Palletier disse que o Brasil é uma parte significativa no mercado internacional e que percebe que o potencial do país está em expansão, mas que tem muito mais a crescer.

Mais do que fornecer produtos, oferecemos experiências. E qual é o melhor lugar para oferecer essa experiência (de turismo náutico) do que o Brasil?– Steve Palletier

O head global da marca contou ainda que ficou encantado com a região amazônica de Belém (PA), onde esteve no ano passado. E entregou que ainda pretende navegar por destinos do Paraná, como Foz do Iguaçu e Maringá.

Para Roberto Bruder, o turismo náutico e as maravilhas do país podem atrair ainda mais pessoas interessadas para este mercado.

Temos um país maravilhoso, com belezas naturais incríveis, que é bem pouco explorado pelo turismo– Roberto Bruder

“Imagina quantas pessoas a gente poderia trazer para o Brasil através do turismo náutico, pelas belezas que a gente tem no país”, aponta Bruder.

Steve Palletier também destacou a enorme área navegável do Brasil e que enxerga diversas possibilidades de entregar experiências náuticas de forma sustentável, reforçando a preocupação da empresa no cuidado com a natureza.



Já Fernando Alves, responsável pela Sea-Doo no Brasil, destaca a capacidade de desenvolvimento econômico através do turismo das águas, inclusive em regiões menos favorecidas economicamente do país.

A sociedade náutica do país está convergindo para o mesmo objetivo. Esse momento é muito importante, temos que mobilizar esses interessados e promover realmente um projeto público-privado muito grande, que a gente vai deixar um legado muito importante para o Brasil– Fernando Alves

Outra presença da Sea-Doo no Estúdio Náutica foi a de Henrique Rosa, gerente de marketing da marca para a América Latina. Além de comentar sobre os lançamentos da BRP no Boat Show 2023, Henrique destacou a presença da marca no Brasil, que é o maior mercado da empresa fora da América do Norte.

 

 

A marca aposta nas experiências felizes que os clientes tem na água com a Sea-Doo para fisgar ainda mais do mercado brasileiro. Referência no setor, a empresa atrai pessoas que gostam de brincar na água, e Henrique brinca: “Nunca vi ninguém triste em cima de um Sea-Doo”.

O brasileiro adora água e tem uma cultura de água muito forte– Henrique Rosa

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Armatti Yachts vai exibir três lanchas no Marina Itajaí Boat Show 2024

    Modelos de 30, 37 e 42 pés marcarão presença no evento, que acontece de 4 a 7 de julho

    Por que a tocha olímpica não apaga debaixo d’água? Entenda

    Tradicional revezamento que antecede os Jogos contou com trecho submerso na França, a 20m de profundidade no Mediterrâneo

    Enorme submarino de guerra surge em Santos, no litoral de São Paulo

    Embarcação da Marinha, o Tikuna - S34 chamou a atenção ao atracar com tripulantes sobre o casco

    Quase 1.500 anos: cientistas identificam a planta marinha mais antiga do mundo

    Espécie de alga marinha surgiu no Mar Báltico no período das Invasões Bárbaras, de 375 d.C. a 700 d.C

    Copa Mitsubishi de Vela: 2ª etapa termina com premiação e domingo sem ventos

    Participantes disputaram regatas no sábado, mas premiação aconteceu no dia seguinte sem novas competições