Confira todos os atletas brasileiros de esportes aquáticos que estarão nas Olimpíadas de Paris

Com chance de recorde olímpico de medalhas, o Brasil estará representado por mais de 40 nomes nas águas da França — e do Taiti

01/07/2024
Foto (da esquerda para direita): Miriam Jeske/COB/Divulgação. Jonne Roriz/COB/Divulgação. Miriam Jeske/COB/Divulgação

Falta menos de um mês para as Olimpíadas de Paris! Na França, os maiores atletas da atualidade competirão nos mais variados desportos e, entre eles, os esportes aquáticos. Com mais de 40 vagas garantidas nas águas — sem contar com triatlo e pentatlo –, o Brasil tem chance de recorde no número de medalhas.

Atualmente, os maiores medalhistas do Brasil na história das Olimpíadas são Torben Grael e Robert Scheidt, ambos na vela, com cinco medalhas cada. Entretanto, o canoísta Isaquias Queiroz já possui quatro pódios e pode entrar para a história do país caso conquiste mais medalhas em Paris.

Isaquias Queiroz comemorando a conquista do ouro, no Rio 2016. Foto: Miriam Jeske/COB/Divulgação

Com 18 nomes, a natação é o esporte aquático com mais brasileiros garantidos, enquanto a vela tem 12 e o surfe seis. Para você não ficar por fora de nenhum dos atletas que competirão nas águas da França, NÁUTICA separou uma lista com todos os confirmados nas Olimpíadas dentro das modalidades aquáticas. Confira!

Beatriz Dizotti. Foto: Jonne Roriz/COB/Divulgação

Atletas brasileiros de esportes aquáticos garantidos em Paris 2024

Natação (18 atletas)

Uma das maiores esperanças do Brasil em Paris está nas piscinas. Afinal, o segundo esporte que mais distribui medalhas é a natação — atrás apenas do atletismo. No geral, essa é a quarta modalidade que mais conquistou pódios para o país em Olimpíadas e conta com Guilherme Costa como um dos atletas favoritos.

Guilherme Costa. Foto: Jonne Roriz/COB/ Divulgação

Feminino

  • Maria Fernanda Costa (200m e 400m livre, 4x100m e 4x200m livre)
  • Gabrielle Roncatto (400m livre e 4x200m livre)
  • Beatriz Dizotti (1500m livre)
  • Stephanie Balduccini (4x100m e 4x200m livre e 4x100m medley misto)
  • Ana Carolina Vieira (4x100m livre e 4x100m medley misto)
  • Maria Paula Heitmann (4x200m livre)
  • Giovana Reis (4x100m livre)

Masculino

  • Guilherme Costa, o “Cachorrão” (200m, 400m e 800m livre e 4x200m livre)
  • Nick Albiero (200m borboleta)
  • Kayky Mota (100m borboleta e 4x100m medley misto)
  • Guilherme Caribé (50m e 100m livre e 4x100m livre)
  • Marcelo Chierighini (100m livre e 4x100m livre)
  • Gabriel Santos (4x100m livre)
  • Breno Correia (4x100m livre)
  • Fernando Scheffer (4x200m livre)
  • Eduardo Moraes (4x200m livre)
  • Murilo Sartori (4x200m livre)
  • Guilherme Basseto (4x100m medley misto)

Vela (12 atletas)

Desde as Olimpíadas de Atlanta 1996, o Brasil não sabe o que é ficar sem ao menos uma medalha na vela — inclusive, os dois maiores atletas medalhistas do país vieram desse esporte. Para 2024, a modalidade teve algumas mudanças: substituição da categoria RS:X pela IQFoil, além de tirar a Finn para entrar o kite.

Martine Grael e Kahena Kunze. Foto: Jonne Roriz/COB/Divulgação

Duplas mistas

  • Martine Grael e Kahena Kunze (categoria 49erFX)
  • Henrique Haddad e Isabel Swan (categoria 470)
  • João Siemsen e Marina Arndt (categoria Nacra)
  • Marco Grael e Gabriel Simões (categoria 49er)

Individual

  • Bruno Fontes (categoria Laser)
  • Bruno Lobo (Fórmula Kite)
  • Gabriella Kidd (categoria Laser Radial)
  • Matheus Isaac (categoria IQFOIL)

Surfe (6 atletas)

Você sabia que o surfe não será disputado em Paris? Por incrível que pareça, a sede deste esporte será no Taiti, na praia de Teahupoo. Com seis atletas, o Brasil é o país com mais representantes nas ondas e tem na ascensão do surfe feminino e na estrela de Gabriel Medina uma enorme esperança de medalha nas Olimpíadas.

Gabriel Medina. Foto: Jonne Roriz/COB/Divulgação
Tatiana Weston-Webb. Foto: Júlio César Guimarães/COB/Divulgação

Feminino

  • Tainá Hinckel
  • Luana Silva
  • Tatiana Weston-Webb

Masculino

  • Gabriel Medina
  • Filipe Toledo
  • João Chianca, o “Chumbinho”

Canoagem (6 atletas)

Eis aqui a maior chance de quebra de recorde olímpico do Brasil. Caso Isaquias Queiroz conquiste uma medalha, se iguala aos atletas Torben Grael e Robert Scheidt como maior medalhista do país nas Olimpíadas. Se for a dois pódios, o baiano se isola nesse posto — ele já seria o maior vencedor brasileiro em uma só edição dos Jogos.

Isaquias Queiroz. Foto: Miriam Jeske/COB/ Divulgação

Feminino

  • Valdenice Conceição (C1 200m)
  • Ana Paula Pergutz (K1 500m)

Masculino

  • Isaquias Queiroz (C1 1000m)
  • Jacky Godmann* e Filipe Vieira* (C2 500m)
  • Vagner Souta (K1 1000m)

*Embora classificados, Jacky Godmann e Filipe Vieira não serão, necessariamente, os representantes do Brasil na categoria. O país pode escalar Isaquias Queiroz com um deles no C2, abrindo vaga para o outro competir no C1 1000m.

Canoagem slalom (3 atletas)

Diferentemente das outras categorias, a canoagem slalom acontece num curso de água limpa artificial, onde os competidores devem conduzir o barco por um percurso com hastes — também chamados de portões — que não podem ser atingidas. Em Paris, a modalidade terá a inclusão do caiaque extremo, com quatro canoístas disputando um curto trajeto simultaneamente.

Ana Sátila. Foto: Wander Roberto/COB/Divulgação

Feminino

  • *Ana Sátila (categoria C1 e K1)
  • *Omira Estácia (categoria C1)

Masculino

  • *Pepê Gonçalves (categoria K1)

*Os atletas também poderão competir na categoria “caiaque extremo (X1)”, conhecido como caiaque cross.

Remo (2 atletas)

O Botafogo Futebol e Regatas estará bem representado em Paris, com dois dos seus aletas no remo. Tanto Lucas quanto Beatriz — que irá para sua primeira Olimpíada — venceram as finais do single skiff (na qual o competidor rema sozinho) do Pré-Olímpico das Américas, realizado no Rio de Janeiro.

Lucas Verthein. Foto: Gaspar Nóbrega/COB/Divulgação

Feminino

  • Beatriz Tavares (single skiff)

Masculino

  • Lucas Verthein (single skiff)

*Maratona Aquática (2 atletas)

Medalhista de ouro em Tóquio 2020, o fenômeno Ana Marcela Cunha chega à França como uma das atletas favoritas ao pódio e terá a companhia brasileira de Viviane Jungblut. Na última prova antes das Olimpíadas, as nadadoras do Brasil fizeram uma dobradinha na Itália, com Ana na 1ª posição e Vivi em 2º lugar.

Ana Marcela Cunha. Foto: Jonne Roriz/COB/Divulgação
  • Ana Marcela Cunha
  • Viviane Jungblut

 

*A menos de um mês das Olimpíadas, o nível de poluição do Rio Sena, onde será disputada a maratona aquática, ultrapassa os limites previstos de poluição para realização de competições. Por isso, o plano de contingência avaliado pelo Comitê Organizador considera adiar a disputa.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Fluvimar mostrará sua linha de pontoons e barcos de pesca no Brasília Boat Show

    Estaleiro paranaense tem 30 anos de mercado e quase 13 mil barcos na água; salão acontece de 14 a 18 de agosto

    Maior barco da Fibrafort, lancha F420 Gran Coupé será destaque no Brasília Boat Show

    De 14 a 18 de agosto, público do evento náutico poderá conferir de perto os detalhes dessa e de outras duas embarcações do estaleiro

    Doutor Bruno: atleta olímpico dividiu rotina do kitesurf com medicina e mira ouro em Paris

    Entre plantões médicos e velejadas, Bruno Lobo superou lesões e falta de apoio para estrear nas Olimpíadas de 2024

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano

    Brasília Boat Show terá presença da NX Boats com lancha de luxo assinada pela Pininfarina

    Modelo estará nas águas do Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto; ingressos para o salão já estão disponíveis