Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

14/04/2024
Foto: LinkedIn Montion Ventures/ Reprodução

Singapura pode ficar mais limpa e menos barulhenta em um futuro bem próximo. Depois da aprovação da Hydroglyder para fazer parte da Autoridade Marítima e Portuária de Singapura (MPA), chegou a vez do catamarã elétrico X Tron, da empresa Pyxis, entrar para a frota singapurense.

O evento de lançamento do X Tron ocorreu em 27 de março deste ano e, logo em seguida, a startup participou do concurso para projetos de embarcações portuárias elétricas, tornando-se uma das selecionadas. A “competição” faz parte do plano do governo de Singapura, cuja meta é garantir que todos os barcos portuários do país funcionem livres de emissões até 2050.

Foto: LinkedIn Pyxis/ Reprodução

Apesar de ser uma empresa jovem — fundada em 2022 –, a startup criada por Tommy Phun, de 34 anos, chamou atenção pela capacidade de oferecer passeios silenciosos e movimentação suave pelo mar. Além disso, o catamarã elétrico X Tron entrega uma navegação mais ecológica.

 

Agora parte das frotas do governo, a embarcação colabora com o ousado programa singapurense. Em março de 2023, a MPA exigiu que todos os novos barcos portuários no país fossem 100% elétricos, capazes de utilizar biodiesel puro ou compatíveis com combustível líquido zero até o final da década.

Foto: Pyxis/ Divulgação

Este desafio não parece fácil, visto que, atualmente, cerca de 1.600 embarcações portuárias navegam nas águas de Singapura — sendo muitas delas barcos menores, que atendem aos maiores, estacionados no mar.

Conheça o catamarã elétrico X Tron

Primeiro de uma série de embarcações portuárias elétricas para passageiros da Pyxis, o catamarã elétrico X Tron tem aproximadamente 48 pés (14,8 metros de comprimento) e possui capacidade para transportar até 15 passageiros e dois tripulantes.

Foto: LinkedIn Pyxis/ Reprodução

A embarcação feita pela startup apresenta o design de dois cascos — que proporciona mais estabilidade — e utiliza a mesma porta de carregamento dos veículos elétricos. Com um carregador de alta velocidade (150 kW), o tempo para atingir 100% de carga da X Tron leva cerca de duas horas e meia.

Foto: Pyxis/ Divulgação

O barco movido a bateria tem autonomia de até 50 milhas náuticas, que equivalem a quase duas viagens de ida e volta, partindo do Píer Marina do Sul até os cais e ancoradouros do entorno.

Foto: LinkedIn Pyxis/ Reprodução

Segundo a Pyxis, o X Tron e outras embarcações da linha Pyxis One deverão economizar até 120 quilos de emissões de carbono por hora, em comparação a um barco a diesel. Com o casco aerodinâmico, espera-se que este catamarã elétrico seja de 20% a 30% mais eficiente em termos energéticos.

Teve a quem puxar

Os bastidores da construção da embarcação foram mais rápidos do que o comum, no que diz respeito a uma startup. Segundo Tommy Phun, fundador e executivo-chefe da Pyxis, o catamarã elétrico X Tron levou aproximadamente um ano e meio do conceito ao lançamento.

Foto: LinkedIn Pyxis/ Reprodução

A velocidade da produção de uma empresa de apenas dois anos pode surpreender, mas o conhecimento de Phun sobre a indústria vem de casa. Sua família administra uma companhia de serviços marítimos com 30 anos de existência, e Tommy trabalhou lá por quase 10 anos até fundar a Pyxis.

 

De acordo com Phun, a mudança nas regulamentações governamentais e a crescente demanda dos clientes por soluções ecológicos no setor marítimo aumentou o ímpeto da construção do barco. Além do X Tron, a marca pretende lançar mais de 100 embarcações elétricas em toda Ásia-Pacífico até 2030.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Adegas rifam vinho de R$ 5 mil, envelhecido no fundo do mar, para ajudar RS

    Empresas já arrecadaram mais de R$ 100 mil com bilhetes vendidos a R$ 10 cada

    Temporada de baleias: confira regras e onde avistar o animal no Brasil

    De junho a novembro, cetáceos saem da Antártica em busca das águas brasileiras para se reproduzirem

    Cidade perdida no meio do Pacífico tem localização remota e mistério sobre sua construção

    Localizada sobre um recife de corais, a cidade perdida de Nan Madol tem fama de "amaldiçoada" e intriga cientistas

    Registro raro: lula de mar profundo ataca câmera com tentáculos “acesos”; assista

    Filmagem mostra animal sendo atraído por isca presa a uma câmera a mais de mil metros de profundidade no Pacífico Sul

    Ex-dono da lancha de JK largou tudo para resgatar de jet mais de 150 animais no RS

    Gerard Souza contou à NÁUTICA sobre os onze dias de voluntariado intenso nas regiões afetadas pelas enchentes