Maior catamarã a vela do mundo está pronto para ser um “museu flutuante”

Após anos de expectativa, o superiate ArtExplorer foi entregue ao proprietário e deve receber visitantes de forma gratuita

27/03/2024
Foto: Perini Navi/ Reprodução

As marinas de diversos países estão prestes a receber em suas docas um “museu flutuante”. Isso porque o ArtExplorer, maior catamarã a vela do mundo, foi entregue recentemente a seu dono, o multimilionário Frédéric Jousset.

Com 47 metros (ou 154 pés) e a impressionante boca de 17,3 metros, a embarcação nasceu por meio do financiamento do empresário francês, cuja missão declarada é democratizar a arte e permitir que ela chegue às massas de forma gratuita.

Foto: Perini Navi/ Reprodução

Não é de se espantar, então, que, ao ganhar as águas dos oceanos, o catamarã a vela abra suas portas ao público sem necessidade de pagamento — embora os interessados devam agendar a visita previamente pela internet.

 

Segundo o The Italian Sea Group, responsável pela construção da embarcação, a área de flybridge será usada para exposições virtuais, workshops e conferências. Já o convés principal abrigará a exposição inaugural Icons (em português, “Ícones”), sobre a representação das mulheres no Mediterrâneo.

 

 

Além da exposição de obras de arte no convés principal, o ArtExplorer contará com laboratórios criativos. Graças ao amplo espaço da construção, há capacidade para receber até duas mil pessoas por dia ao atracar nas marinas.

 

A expectativa é de que o catamarã a vela passe por pelo menos 15 países e navegue como um “museu flutuante” ao longo de dois anos. Após esse tempo, deve estar disponível para aluguel, como forma de compensar a ausência da venda de ingressos, e servir Jousset em outros momentos — que não recusa a ideia de voltar a usá-lo como galeria em situações esporádicas.

Catamarã a vela e sustentabilidade

Com a proposta de ser um “iate sustentável”, o ArtExplorer conta com cerca de 65 metros quadrados de painéis solares e um banco de baterias de lítio, capazes de gerar energia ao longo de mais de seis horas sem emissão de gases do efeito estufa.


Tanto as manobras de entrada e saída dos portos quanto de áreas protegidas são realizadas de forma totalmente elétrica. Por esses motivos, o catamarã a vela recebeu a classificação ‘verde’.

 

 

A embarcação foi apresentada no ano passado, durante o Monaco Yacht Show 2023. A construção ficou a cargo da Perini Navi — parte do The Italian Sea Group — e a arquitetura é de Guillaume Verdier Architecture e Nacira Design. Os interiores são assinados por Axel de Beaufort.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    NÁUTICA Talks terá papo sobre a história dos jets com Renan Macedo

    Fundador da Usina do Jet ainda falará sobre o avanço das corridas e expedições a bordo da embarcação; palestra acontece durante o Rio Boat Show 2024

    Danimar leva scooter aquática e modelos off road ao Rio Boat Show 2024

    Concessionária oficial de marcas como Segway, empresa também apresentará UTV e quadriciclo ao público do evento náutico

    André Homem de Mello recorda histórica volta ao mundo a vela no NÁUTICA Talks

    Primeiro brasileiro a alcançar o feito em solitário e sem escalas integra agenda recheada do Rio Boat Show 2024

    Fernando Moraes conduz mergulho pelas ilhas brasileiras no NÁUTICA Talks

    Biólogo marinho trará à tona detalhes sobre biodiversidade e história de locais emblemáticos durante o Rio Boat Show 2024

    Prós e contras do envelopamento náutico serão discutidos com Pedro Dias no NÁUTICA Talks

    Especialista em adesivagem náutica, "Pedrinho" vai conduzir bate-papo na série de palestras do Rio Boat Show 2024