Com método inovador, jovem inventor quer acabar com plásticos no mar

Irlandês criou equipamento para monitorar poluição aos 12 anos e foi premiado pelo Google aos 18; conheça

02/03/2024
Foto: Instagram @fionn.ferreira/ Reprodução

A poluição dos mares é um grande problema e vários pesquisadores têm discutido métodos para resolver a situação. Fionn Ferreira, um jovem inventor irlandês, está tão empenhado em tentar mudar o mundo para melhor que pensa em soluções para isso desde a infância.

Com a missão inabalável de combater a crise dos microplásticos, o jovem inventor criou, aos 12 anos, seu próprio espectrômetro — aparelho que mede a composição química de determinadas amostras — e começou a identificar poluentes nas águas.

Foto: Instagram @fionn.ferreira/ Reprodução

Mais tarde, o irlandês descobriu que um pingo de óleo seria capaz de atrair uma grande quantidade de plástico. Mas, como é de se imaginar, não é benéfico — nem viável — espalhar óleo por todo o oceano para resolver a questão dos microplásticos.

Foto: Instagram @fionn.ferreira/ Reprodução

Fionn tentou, então, misturar a substância com pó de óxido de ferro, criando o chamado ferrofluido. A próxima ideia foi usar essa substância na água para atrair os microplásticos e depois poder remover ambos.

Foto: Instagram @fionn.ferreira/ Reprodução

O jovem, então aos 18 anos, lembrou das suas primeiras experiências com Lego e resolveu usar um método inovador. Com a ajuda de um ímã, ele conseguiu remover microplásticos e o ferrofluido, resultando numa água pura.

 

Este teste de Fionn Ferreira já foi realizado cerca de 5 mil vezes e alcançou 87% de eficiência, lhe rendendo o prêmio Google Science Fair de 2019.

Muito mais que uma invenção

Por falar em premiação, o Google também garantiu ao garoto uma bolsa de estudos no valor de US$ 50 mil (cerca de R$ 212 mil, na conversão da época). Além disso, Fionn trabalha no desenvolvimento de um aparelho que utiliza o método criado por ele mesmo para capturar microplásticos enquanto a água flui pelo aparato.

Foto: Instagram @fionn.ferreira/ Reprodução

Com a ideia de que seja algo pequeno o suficiente para caber em canos d’água, este seria apenas o primeiro passo para termos o equipamento em larga escala. Também é discutido o uso desse dispositivo na entrada e saída de água de residências.

 

Outro projeto que o jovem inventor trabalha é num sistema a ser instalado em navios, para extrair o plástico dos oceanos durante a navegação. O plano é que todas essas invenções avancem e sejam comercializadas em, aproximadamente, dois anos.

Inimigo quase invisível

Muitas pessoas já conhecem o perigo dos plásticos nos oceanos, pois são bem visíveis. No entanto, o microplástico representa um problema bem maior — por mais que as partículas desse material não passem de 5 milímetros — pois são mais difíceis de identificar a olho nu.

Foto: Instagram @fionn.ferreira/ Reprodução

O microplástico pode parecer uma “poeira de plástico”, que muito lembra um glitter. Este material pode ser encontrado em roupas, produtos de cuidados pessoais e de limpeza, que geralmente vão parar no esgoto — e depois em oceanos, rios, lagos e represas.

Foto: Instagram @fionn.ferreira/ Reprodução

Quando o microplástico entra em contato com o ambiente aquático, o estrago está feito. O resíduo pode ser consumido por animais que vivem na água, e consequentemente, por humanos, além de poluir oceanos e praias.

Para mudar o mundo

Pesquisa feita pela Universidade de Newcastle, na Inglaterra, apontou que cada ser humano consome, em média, 5 gramas de plástico por semana. Isso seria como triturar um cartão de crédito e jogar na comida, tal qual um queijo ralado.

Foto: Instagram @fionn.ferreira/ Reprodução

Como é de se imaginar, não faz bem ingerir microplástico. Por mais que ainda se saiba pouco sobre o assunto, há estudos que correlacionam esse material com câncer, má formação de fetos, estresse oxidativo e problemas cardíacos e respiratórios — como inflamações.

 

Além disso, microplásticos podem ser meio de transporte para patógenos — organismos que são capazes de causar doença em um hospedeiro. Por isso, fica a torcida para que o jovem inventor irlandês e outros pesquisadores consigam resolver em pouco tempo um problema de décadas.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Mestre em Mecânica, Ricardo Paragon ensina a evitar panes no mar no NÁUTICA Talks

    Empresário e técnico premiado compartilhará dicas importantes durante o Rio Boat Show 2024

    Marinha anuncia regras para barcos durante show da Madonna, no Rio

    Área delimitada para o evento só aceitará embarcações identificadas, vistoriadas previamente e que respeitem os limites de lotação

    Hélio Magalhães divide décadas de experiência como velejador no NÁUTICA Talks

    Com 45 anos de mar e mais de 200 milhas náuticas navegadas, palestrante compartilhará ensinamentos no Rio Boat Show 2024

    Na Holanda, live permite acionar "campainha de peixes" para liberar passagem de animais por eclusa

    Transmissão ao vivo mostra quando um peixe aguarda passagem; espectadores avisam operadores ao "tocar campainha"

    Renault apresenta veleiro desmontável, jet elétrico e prancha motorizada

    Marca francesa propõe novas soluções de mobilidade e mostrou inovações durante lançamento de carro elétrico