Marinha usa radar capaz de rastrear embarcações além da linha do horizonte

Fabricado no interior de São Paulo, equipamento é o primeiro do tipo desenvolvido, instalado e operado na América Latina

30/06/2024
Foto: IACIT / Divulgação

Uma nova tecnologia para proteger as fronteiras marítimas do Brasil está em uso pela Marinha do Brasil. O Radar Além do Horizonte é o primeiro do tipo desenvolvido, instalado e operado na América do Sul. O equipamento foi produzido na cidade de São José dos Campos, no interior de São Paulo.

Importante aliado na defesa das águas jurisdicionais do país (faixa oceânica de domínio brasileiro), o novo radar da Marinha ganhou o nome de OTH 0100. O aparato foi desenvolvido pela IACIT, empresa fundada ainda em 1986 na cidade, tida como um dos principais polos tecnológicos do Brasil — e do mundo.

Foto: IACIT / Divulgação

O OTH 0100 coloca o Brasil em um seleto grupo de países que detêm essa tecnologia de ponta, composto por Estados Unidos, Rússia, Inglaterra, França, Canadá, Austrália, China e Israel.

 

Instalado no sítio do Farol do Albardão, no Rio Grande do Sul, o radar da Marinha é considerado um sistema de última geração que, segundo a IACIT, é um dos poucos existentes no mundo capaz de rastrear embarcações não-cooperativas (ou seja, que não transmitem sinal de AIS, o Automatic Identification System) a uma distância de até 200 milhas náuticas (cerca de 370 quilômetros) da costa.


Dessa forma, o radar consegue fornecer informações de geolocalização e deslocamento dos chamados “navios-fantasmas”, permitindo a detecção precisa e o acompanhamento de alvos em alto-mar em tempo real. Ele também é capaz de suprimir interferências comuns na faixa de alta frequência, incluindo ruídos de sistemas de comunicação e da ionosfera.

 

A IACIT explica ainda que com “a abertura de 120º em seu sistema de transmissão, cada Radar OTH 0100 consegue monitorar uma área superior a 143 mil km², gerando imensos ganhos operacionais e reduzindo os custos no processos de monitoração da ZEE (Zoneamento Ecológico-Econômico).”

Foto: IACIT / Divulgação

Toda essa tecnologia colabora para que a Marinha consiga desenvolver um trabalho muito mais completo na preservação das riquezas naturais da Amazônia Azul e no combate a atividades ilícitas como pirataria, contrabando, tráfico de drogas e de pessoas, além da espionagem.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem recupera Apple Watch que estava perdido no mar do Caribe há mais de um ano

    Aparelho foi encontrado ainda funcionando graças à ferramenta de localização do dispositivo

    Fluvimar mostrará sua linha de pontoons e barcos de pesca no Brasília Boat Show

    Estaleiro paranaense tem 30 anos de mercado e quase 13 mil barcos na água; salão acontece de 14 a 18 de agosto

    Maior barco da Fibrafort, lancha F420 Gran Coupé será destaque no Brasília Boat Show

    De 14 a 18 de agosto, público do evento náutico poderá conferir de perto os detalhes dessa e de outras duas embarcações do estaleiro

    Doutor Bruno: atleta olímpico dividiu rotina do kitesurf com medicina e mira ouro em Paris

    Entre plantões médicos e velejadas, Bruno Lobo superou lesões e falta de apoio para estrear nas Olimpíadas de 2024

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano