Cemitério de cruzeiros? Entenda como acontece o desmanche de navios aposentados

Processo deve ser realizado em ambiente legalizado, mas preferência por locais clandestinos oferece riscos e já levou a mortes

10/07/2024
Imagem ilustrativa

Não é raro se deparar com notícias sobre lançamentos de cruzeiros estampadas nos portais, mas pouco se fala sobre como acontece o desmanche desses navios luxuosos ao alcançarem os últimos momentos de vida útil. A boa notícia é: NÁUTICA te explica!

A forma correta de desmantelar as embarcações envolve a escolha de locais que dominam a prática de forma legal e responsável, evitando prejuízos para o meio ambiente. Alguns deles ficam em Aliaga, na costa da Turquia, conforme lista criada pela União Europeia.

Um dos locais na Turquia autorizados pela União Europeia para desmanche de navios. Foto: Google Maps

Um dos ‘cemitérios de cruzeiros’ especializado em reciclagem naval na cidade recebeu grandes navios de renome, como os da Pullmantur, que decretou falência em 2020, durante a pandemia de Covid-19.

 

Na época, a empresa vendeu ao local dois cruzeiros, incluindo o Sovereign — conhecido por aqui como Soberano — que ostentou o título de maior navio do mundo quando foi lançado, em 1988. Ícones da grande linha de cruzeiros Carnival Corporation também deram seus suspiros finais na Turquia.

 

Nesses locais de desmanche de navios, são reaproveitados partes de aço, ferro, alumínio e plásticos. Até mesmo os acessórios não metálicos que estavam nas embarcações são guardados, já que muitos hoteleiros vão ao estaleiro para comprar materiais úteis.


O maior problema é que a grande maioria dos desmanches de navios é realizada de forma clandestina, sem qualquer cuidado com o meio ambiente ou segurança para os trabalhadores.

 

Não à toa que, desde 2009, foram registradas mais de 449 mortes em funções como essa, segundo aponta a ONG Shipbreaking Platform.

Desmanche ilegal de navios é problema sério

De acordo com a ONG — que busca reverter violações ambientais e sociais que a prática gera no mundo todo — os países que mais recebem navios para desmanche indevido são Bangladesh, Índia e Paquistão.

 

O processo é feito diretamente na praia, em vez de em um local industrial, e envolve o encalhe voluntário da embarcação. Mais de 8 mil barcos já passaram por isso nos últimos 15 anos, por conta de empresas que dão preferência à maximização de lucros — uma vez que a prática clandestina chega a custar cem vezes menos do que a legal.

Navio encalhado. Imagem ilustrativa

Estima-se que, a cada ano, cerca de 500 navios comerciais oceânicos cheguem ao fim de sua vida útil. Imagine, então, o estrago que podem fazer, já que a maioria possui inúmeros materiais tóxicos em sua estrutura, como:

  • Amianto, um dos mais comuns e perigosos;
  • Metais pesados, como chumbo, mercúrio e cobre;
  • Óleos e combustíveis tóxicos;
  • Outros diversos.

Além de contaminarem áreas costeiras — e, consequentemente, afetarem a vida marinha, incluindo peixes usados para consumo humano — essas substâncias provocam uma série de doenças nos trabalhadores, que vão de diferentes tipos de câncer a retardo mental e problemas hepáticos.

 

Isso sem contar que a população, no geral, corre risco quando peças de navios são vendidas no mercado de segunda mão, com procedência duvidosa.

Problema social

Os trabalhadores do desmanche ilegal de navios são praticamente escravizados, segundo a Shipbreaking Platform. Com as próprias mãos, devoram os gigantes navios aos poucos, até que não sobrem vestígios deles nas areias.

Foto: ONG Shipbreaking Plataform/ Reprodução

Na maioria das vezes, não contam com equipamentos de proteção ou salário digno.

O desmantelamento de navios se tornou um grande problema de saúde ocupacional e ambiental no mundo. Está entre as ocupações mais perigosas, com níveis inaceitavelmente altos de fatalidades, ferimentos e doenças relacionadas ao trabalho– Organização Internacional do Trabalho (OIT)

A solução para o problema, para a ONG, passa por fiscalização acirrada, garantia de direitos trabalhistas e desmanches realizados em docas secas e cais, onde resíduos oleosos e perigosos serão armazenados e tratados.

 

Esse último passo envolve a transição de local até mesmo por parte dos desmanches legalizados. A expectativa é de que a meta seja alcançada até 2030.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Pinguim aparece em praia de Cabo Frio (RJ), surpreende banhistas e levanta dúvida: é normal?

    Apesar de ter sido visto navegando tranquilamente no mar transparente da região, presença do animal em águas brasileiras levantou questionamentos

    Uber Boat: na Europa, passageiros já conseguem reservar de iates a limusines aquáticas

    Uso dos serviços em locais como Ibiza, Veneza, Grécia e Paris pode chegar ao custo de R$ 9,4 mil, mas com mordomias

    Ingressos para o Brasília Boat Show já estão disponíveis; saiba como adquirir o seu

    Pela primeira vez na região Centro-Oeste, evento náutico reunirá grandes destaques do mercado de 14 a 18 de agosto

    Giorgio Armani faz 90 anos: veja os iates feitos pelo ícone do estilo italiano

    Apaixonado pelo universo náutico, estilista acumula projetos de embarcações e decoração de interiores

    Noruega tem primeira balsa totalmente elétrica do mundo

    Equipada com motores elétricos e sistemas de bateria, Medstraum navega com alta velocidade e emissão zero