Cidades flutuantes são a nova tendência no mundo dos bilionários

Projetos ambiciosos visam, principalmente, a possibilidade de viver sem regulamentações e impostos

01/02/2024
Foto: Ocean Builders / Divulgação

Pela falta (ou sobra) de opções para investir seus infinitos cifrões, os bilionários acabam, por vezes, fazendo escolhas, no mínimo, questionáveis. Foi assim com o submarino que tentou visitar o Titanic, é assim com as viagens de Elon Musk para fora do globo e parece que também será dessa forma com um novo investimento: as cidades flutuantes.

Essa nova “febre” entre os bilionários não é de hoje, mas tem ganhado força nos últimos tempos por dois motivos em especial: a fuga de desastres naturais — um tanto quanto irônico — e, principalmente, a possibilidade de viver sem regulamentações e impostos.

Foto: Instagram @ocean_builders / Divulgação

Mas, afinal, quem são essas pessoas? Os principais personagens dessa história — que ainda traz peças coadjuvantes — são Peter Thiel, empresário estadunidense co-fundador do PayPal, e Chad Elwartowski, famoso entusiasta dos bitcoins.

Tentativas e esperanças de Chad Elwartowski

Talvez você já tenha ouvido falar de Chad Elwartowski, não pelos bitcoins e tampouco pela ideia das cidades flutuantes, mas, sim, pelo noticiário. Isso porque, em 2019, ele e a esposa, Nadia Thepdet, foram caçados pelo governo da Tailândia — justamente quando a ideia de viver em uma cidade flutuante começava a tomar forma.


Elwartowski construiu uma casa flutuante de fibra de vidro (sem autorização prévia) para o casal, na costa da Tailândia — conhecida por suas regras rígidas. A obra foi realizada por meio da Ocean Builders, um grupo do qual o empresário chegou a ser presidente em 2023, que atua na construção de moradias e cidades independentes em regiões do oceano que não pertencem a governos — logo, sem regulamentações e impostos.

 

A atitude foi vista pelo governo da Tailândia como uma ameaça à segurança nacional, e o casal passou a ser caçado pelas autoridades locais, com risco, inclusive, de pena de morte.

Construção de casa flutuante da Ocean Builders. Foto: Instagram @ocean_builders / Divulgação

Logo após o governo do país destruir a casa flutuante, os dois seguiram foragidos e, de acordo com reportagem do The Guardian, chegaram a Singapura.

 

De lá, ambos viajaram até o Panamá, onde vivem atualmente e seguem tocando os negócios da Ocean Builders — Chad como diretor de operações da empresa e Nadia como diretora de sustentabilidade.

Foto: Instagram @ocean_builders / Divulgação

Em 2022, a Ocean Builders lançou o “Seapod”, um edifício flutuante com 733 pés quadrados de área útil (cerca de 223 m²), sobre uma estrutura a dois metros acima da água. Contudo, o primeiro deles entrou em colapso ao ser inaugurado em setembro do mesmo ano, com seus fabricantes alegando “mau funcionamento da bomba de esgoto”.

Peter Thiel é mais discreto — e menos eficiente

Em 2008, ainda quando nada se falava sobre viver em cidades flutuantes, nasceu o Seasteading Institute, fundado pelo ativista, engenheiro de software e teórico político-econômico Patri Friedman (neto do economista ganhador do Prêmio Nobel Milton Friedman) e por ele: o empresário Peter Thiel.

 

A organização sem fins lucrativos, com sede na Califórnia, nos Estados Unidos, define seu objetivo como “construir comunidades de startups que flutuem no oceano sem qualquer medida de autonomia política.” O Seasteading Institute passou 15 anos analisando, justamente, essa ideia livre de regulamentações.

Imagem ilustrativa da ideia do Seasteading Institute. Foto: Instagram @seasteadinginstitute

Thiel parece ter se afastado do instituto nos últimos anos, mas a organização ainda está prosperando. Joe Quirk, presidente da Seasteading, disse recentemente em vídeo no YouTube que “a tecnologia para governos de startups flutuantes está disponível e estamos ansiosos para que isso aconteça o mais rápido possível.”

 

“Eu vim aqui do oposto de uma cidade flutuante, que é San Francisco, Califórnia. Muitas pessoas não estão satisfeitas com a forma como [a cidade] é governada”, comentou ele.

Imagine se pudéssemos dividir San Francisco em vários pequenos pedaços, e as pessoas pudessem se movimentar e escolher os vizinhos que desejam. Teríamos variação por provedores de governança e seleção por cidadãos– Joe Quirk, presidente da Seasteading Institute

O alvorecer da era aquática

Além das duas figuras principais dessa história, a empresa Arktide, da Flórida, também nos EUA, planeja construir “imóveis acessíveis nos mares” na próxima década, enquanto o SeaPod, da Ocean Builders, está planejando construções na Ásia e na Europa.

O alvorecer da era aquática começou!– diz a SeaPod

O projeto Oceanix Busan, na Coreia, apoiado pela Organização das Nações Unidas (ONU), chega nesse universo, contudo, com outra visão: construir uma cidade flutuante para enfrentar as mudanças climáticas e ajudar as comunidades costeiras a lidar com o aumento do nível do mar.

Busan pretende fornecer tecnologia inovadora para cidades costeiras que enfrentam grave escassez de terras, agravada por ameaças climáticas– menciona a empresa

Fotos: N-ARK / Divulgação

Algo semelhante acontece com o projeto japonês Dogen City, que visa criar um habitat autossuficiente para 40 mil pessoas em uma área equivalente a 4 km de circunferência, para fugir, também das consequências da elevação do nível do mar.

 

Seja oportunidade, apropriação ou necessidade, a iniciativa das cidades flutuantes parece que ainda vai levar a muitas discussões envolvendo países e empresários.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Público do Rio Boat Show 2024 tem desconto exclusivo em hotel oficial

    Bem localizado, Novotel Leme oferece condições especiais para visitantes do maior salão náutico da América Latina

    Visita de mergulhador a restos de baleia vence concurso de fotos subaquáticas do mundo; veja imagens

    Competição de fotos de dentro do mar acontece anualmente e conta com diversas categorias

    Filmagem de primeiras ondas de tsunami na Tailândia viraliza 20 anos após desastre

    De férias no local, homem filmou, sem saber, o início do fenômeno de 2004; assista ao vídeo

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show do ano 2000

    Terceira edição do evento teve de lancha sendo construída ao vivo a tanque de mergulho de 5 m de profundidade

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda