Itajaí é polo náutico forte; conheça alguns estaleiros da região

Das pequenas lanchas aos grandes iates, estaleiros de renome fabricam seus barcos em território itajaiense

20/06/2024
Foto: Victor Santos / Revista Náutica

Não à toa reconhecida por lei federal como a Capital da Construção Naval e do Turismo Náutico, a cidade de Itajaí, em Santa Catarina, detém a principal estrutura náutica catarinense: a Marina Itajaí — que, de 4 a 7 de julho, recebe sua segunda edição do Boat Show. Mas esse é apenas um dos motivos para o município ser considerado um dos principais polos náuticos do Brasil.

A cidade abriga ainda o Porto de Itajaí (segundo porto brasileiro em movimentação de cargas em contêineres), incontáveis belezas naturais e um conhecido compromisso com a sustentabilidade, ingredientes nada secretos, mas essenciais para a produção de embarcações que de lá saem para contar milhas por todo país — e pelo mundo.

Marina Itajaí recebeu a 1ª edição do Boat Show em 2023. Foto: Victor Santos / Revista Náutica

Nada disso entra de forma direta na receita de fabricação de um bom barco, claro, mas certamente cria o ambiente ideal para que uma embarcação caia na água já como um sucesso — e os números comprovam.

 

Itajaí é sede dos principais estaleiros especializados na construção de iates e lanchas de grande porte, segmento em que responde por 70% da produção estadual — o que corresponde a cerca de 35% da produção nacional . Reflexo também do estado de Santa Catarina, que, em 2021, foi responsável por 90% das exportações de barcos brasileiros.

Porto de Itajaí. Foto: Flickr / Programa de Aceleração do Crescimento / Reprodução

Ou seja, muitas das embarcações avistadas comumente ao visitar o litoral carregam consigo o DNA iatajaiense. Confira, a seguir, alguns dos mais importantes estaleiros do país — e do mundo — que possuem fábricas em Itajaí.

Estaleiros com fábricas em Itajaí

Fibrafort

Com raízes firmes em Itajaí desde 1990, a Fibrafort é considerada a maior fabricante da América Latina em unidades produzidas. Fabricando barcos de 18 a 42 pés, em uma área de 6.700m², a marca afirma ter mais de 18 mil lanchas produzidas, dos 18 aos 42 pés, navegando por 43 países ao redor do mundo. Não é difícil de, ao visitar o litoral — seja ele qual for — avistar ao menos um dos modelos da marca navegando.

Fibrafort produz lanchas dos 18 aos 42 pés. Foto: Fibrafort / Divulgação

Azimut

A tradição italiana em embarcações é representada em Itajaí pela Azimut, estaleiro fundado na Itália ainda em 1969. Em 2010, a marca de renome mundial escolheu o solo itajaiense para abrigar seu único polo fabril fora do país das massas. De lá saem embarcações de luxo — como a de Cristiano Ronaldo –, que são entregues no Brasil e também exportadas para outros países ao redor do globo.

Azimut 27 Metri. Foto: Victor Santos / Revista Náutica

Okean

Quando o Grupo Okean quebrou os limites pensados pela empresa ao se estabelecer em São Paulo, em 2015, a marca escolheu a cidade de Itajaí para ampliar o negócio. A mudança de ares aconteceu em 2021, mesmo ano em que o estaleiro fechou uma parceria com a italiana Ferretti, assumindo a produção das embarcações da marca italiana em solo brasileiro.

Okean 80. Foto: Okean / Divulgação

Com foco no mercado internacional desde os seus primórdios, a Okean exporta seus barcos para países como Estados Unidos, França, Espanha, Japão e Austrália. Os modelos se destacam por proporcionarem visão 360º e carregarem o conceito dos decks laterais abertos, que criam “autênticos terraços sobre o oceano, com amplitude e liberdade”, como ressalta a marca.

NHD Boats

Evolução do estaleiro HD Mariner — conceituado entre os anos de 1990 e 2000 — , a NHD Boats chegou ao mercado por volta de 2017, visando modernizar os modelos do antigo estaleiro, primando por segurança, conforto e design.

NHD 340. Foto: Victor Santos / Revista Náutica

Sua primeira embarcação lançada foi a NHD 270 Open, modelo que, mesmo pequeno, contava com banheiro e espaço para 10 passageiros. A partir daí, outros muitos modelos do estaleiro catarinense ganharam as águas, como a NHD 280, testada por NÁUTICA em 2022.

NHD 370 All Space. Foto: NHD Boats / Divulgação

As lanchas vão dos 27 aos 42 pés e já conquistaram, inclusive, águas internacionais. Recentemente, o estaleiro lançou a NHD 420, seu maior barco até então. No Marina Itajaí Boat Show 2024, contudo, a marca prometeu lançar uma nova embarcação — cujos detalhes seguem em sigilo.

Grand Ocean

Além de ser a casa de grandes estaleiros do setor, Itajaí é também solo fértil para empresas que estão começando a dar os primeiros passos, e a Grand Ocean é um bom exemplo disso.

Foto: Divulgação

Parte do grupo já tradicional Grand Ocean Yachts — que fica em Manaus e produz barcos em alumínio, acima de 90 pés — a marca estreou no Marina Itajaí Boat Show em 2023 e, por lá, apresentou uma embarcação que fez brilhar os olhos dos amantes do setor: a Grand Ocean 37.

 

O barco de visual arrojado chama atenção logo ao primeiro olhar. O modelo tem comando central e muito espaço na praça de popa, além de boa cabine, em que a altura chega a 1,90 m. O modelo, inclusive, poderá ser visto ao vivo de 4 a 7 de julho, durante a segunda edição do Boat Show de Itajaí.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Brasília Boat Show transformará a capital do país no epicentro do mercado náutico

    Primeira edição do salão no Centro-Oeste acontece de 14 a 18 de agosto, nas águas do Lago Paranoá; garanta seu ingresso!

    NX Boats desembarca nos EUA com sua maior lancha, a NX 50 Invictus

    Modelo de 50 pés com hardtop estreou recentemente em águas norte-americanas; estaleiro descreveu momento como “histórico”

    Professor larga tudo para dar volta ao mundo em veleiro de 8 metros

    Pelas redes sociais, Luke Hartley compartilha suas aventuras a bordo de uma 27 pés de 1976

    Mestra Boats exibirá grandes sucessos de 29 a 35 pés no Brasília Boat Show

    Estaleiro disponibilizará aos visitantes do evento náutico a Mestra 352 HT, seu maior modelo, e outros dois barcos bem resolvidos; confira

    No século 17, maior navio do mundo foi construído no Brasil e batizou o Aeroporto do Galeão

    Embarcação de guerra foi construída a pedido da coroa portuguesa, que buscava recuperar terras perdidas para a Espanha