Dia Mundial dos Oceanos: confira 10 curiosidades sobre o habitat natural dos barcos

De enormes buracos azuis a oceano verde, conheça alguns fatos curiosos — e preocupantes — sobre as águas que banham o planeta Terra

07/06/2024

Criado há 32 anos e oficializado pela ONU em 2008, o Dia do Mundial dos Oceanos tem como objetivo chamar a atenção das pessoas para a importância dos oceanos para a vida na Terra. Com o tema “Desperte Novas Profundezas” em 2024, a celebração das Nações Unidas quer alertar o mundo sobre a nossa relação com as águas salgadas.

Já que o oceano é dono de diversas segredos, criaturas misteriosas e “monstros” que encantam os apaixonados por uma ficção científica, NÁUTICA preparou uma lista de curiosidades sobre essa vastidão de água que cerca o nosso planeta. De sons misteriosos a enormes cachoeiras submersas, confira alguns fatos extraordinários sobre esta imensidão azul.

Qual o oceano mais antigo da Terra?

Caso você tenha respondido à pergunta dizendo “Oceano Pacífico”, acertou! Ele não só é o mais velho, como o maior e mais profundo entre os cinco que banham a Terra — Atlântico, Pacífico, Índico, Glacial Ártico e Glacial Antártico — segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA).

Situado entre a América (a leste), Ásia e Oceania (a oeste) e Antártica (ao sul), as rochas encontradas na área do Oceano Pacífico datam de cerca de 200 milhões de anos, segundo pesquisa. No entanto, a água mais antiga do mundo, por incrível que pareça, não está no Pacífico, mas no Mar Mediterrâneo.

Cachoeira dentro do oceano

Você sabia que, não só existe uma cachoeira submersa, como ela é a maior do mundo? Pode parecer confuso imaginar uma cachoeira sendo despejada dentro do próprio mar, mas é isso que acontece no Estreito da Dinamarca (que, aliás, não fica na Dinamarca).

Cachoeira submersa nas Ilhas Maurício

Este fenômeno intrigante se desenvolve na parte oceânica entre Islândia e Groenlândia, no Atlântico Norte. A cachoeira, que fica dentro do oceano, possui incríveis 160 km de largura e despeja cerca de 5 milhões de m³ de água por segundo — três vezes mais que o recorde das Cataras do Iguaçu!

Foto: National Oceanic and Atmospheric Adminstration (NOAA)/ Divulgação

Maior buraco azul do mundo

Não parece ser uma boa ideia mergulhar no fundo do maior buraco azul do mundo. Mas foi exatamente isso que os mergulhadores fizeram no Tam’ja, (que significa “águas profundas”, na língua maia), localizado próximo à fronteira entre o México e Belize, em frente à Península de Yucatán, no mar do Caribe.

Foto: Youtube Geologyscience / Reprodução

O que eles descobriram matou a curiosidade de muita gente, mas ainda deixou incógnitas. A 420 metros abaixo da superfície, este mistério do oceano equivale a 11 Cristos Redentores — isso porque nem conseguiram chegar até o fundo. Lá dentro, encontraram de tudo: sulfeto de hidrogênio, garrafa de vidro, câmera GoPro e até dois corpos humanos.

Local mais isolado da Terra

Se você está se sentido sozinho, com certeza não está tão solitário quanto o Ponto Nemo. Este local é considerado o mais isolado do mundo: fica a cerca de 2.700 km da terra mais próxima. Para ter noção do isolamento, geralmente os humanos mais próximos desta região são os astronautas.

Foto: Captura de tela do Google Maps / Reprodução

Este distante ponto no Oceano Pacífico, inclusive, é um “cemitério” espacial, pois abriga em suas profundezas objetos da área já sem utilidade, como satélites, espaçonaves e estações espaciais. Outra curiosidade se dá pela inexistência de atividades humanas, transporte marítimo e pesca nos arredores.

Montanhas embaixo d’água

Por incrível que pareça, há uma montanha no fundo do oceano que mede quase duas vezes mais que o Burj Khalifa, o edifício mais alto do mundo. Com 1.600 metros de altura, este monte submarino foi encontrado nas profundezas da Guatemala, no Oceano Pacífico.

Foto: Schmidt Ocean Institute/ Divulgação

Caso não saiba — e aqui vai mais uma curiosidade — , um monte submarino é uma montanha que fica no fundo do oceano. Ela até que se eleva, mas sem nunca atingir a sua superfície — ou seja, sem alcançar o nível médio do mar. Na ocasião, essa elevação foi encontrada a 2.400 metros de profundidade.

Bloop, o som misterioso

Para quem gosta de mistério, aqui está um dos mais intrigantes. Em 1997, cientistas escutaram alguns ruídos estranhos vindos do oceano — que mais tarde, descobriu-se tratar do Pacífico. O ruído com som de “bloop” podia ser escutado a incríveis 5 mil quilômetros de distância. Confira!

 

 

A partir disso, surgiram documentários e teorias das mais insanas para — tentar — explicar do que se tratava esse ruído. E aí entra na história um iceberg rachando e se deslocando das geleiras da Antártica — algo semelhante  a derrubar um cubo de gelo no copo com bebida. Sendo assim, o mistério estava resolvido. Bloop!

Oceano verde?

Quando se fala em ter um mundo mais verde, não era exatamente desse verde que a gente estava falando. Depois de analisar imagens de satélite, cientistas dos Estados Unidos e Reino Unido concluíram que os oceanos estão ficando cada vez mais esverdeados.

Em artigo publicado na revista Nature, os estudiosos dizem que a modificação na cor dos oceanos se dá pelas mudanças climáticas. Segundo eles, o aquecimento das águas causa o aumento dos fitoplânctons, que usam clorofila verde para fotossíntese — o que explica o tom mais esverdeado dos oceanos.

Nível dos oceanos subindo…

Segundo o relatório “O Estado do Clima na América Latina e no Caribe em 2023”, da Organização Mundial de Meteorologia (OMM), o mundo inteiro sofreu com a elevação do nível do mar no último ano, por conta da expansão térmica, visto que a água quente se dilata.

Foto: Raw Pixel

Isso acontece desde 1993, só que dessa vez, a elevação do nível do mar foi recorde, com média global de 3,42 mm/ano. Inclusive, o Brasil está acima da média num ranking preocupante: o calor fez com que os oceanos subissem mais aqui do que em outros lugares do mundo.

Tapem os ouvidos

Não são apenas as grandes metrópoles que estão ficando cada vez mais barulhentas. Os oceanos também vêm sofrendo desse mal, mas com a grande diferença que, neste caso, os animais marinhos são os que mais sofrem com as consequências das interferências humanas.

Segundo estudo publicado no Environmental Science, o oceano está mais barulhento, já prejudica a vida marinha e a situação pode ficar até cinco vezes pior daqui 70 anos. A nível de curiosidade, os animais se comunicam, principalmente, por meio de sons, na falta de uma boa visibilidade.

Uma imensidão a explorar

Mesmo que se saiba muita coisa sobre, essa lista de curiosidades poderia ser ainda maior caso conhecêssemos mais do que 20% sobre o oceano. Afinal, mesmo que ocupe 70% do Planeta Terra, fatores como custo e pressão no fundo do mar dificultam novas descobertas.

Foto: NOAA Ocean Exploration, Windows to the Deep 2019/ Divulgação

Para se ter ideia, o nível de 100 metros de profundidade já pode ser mortal aos humanos, por conta da síndrome de descompressão. Já que a média dos oceanos é maior que 3,6 quilômetros, uma viagem ao fundo do mar não é simples, precisando de muita tecnologia e dinheiro.

Temos melhores mapas da Lua e de Marte do que do nosso próprio planeta– Gene Feldman, oceanógrafo emérito da NASA

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Tags

    Relacionadas

    Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

    Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

    Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

    Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

    Descanso sobre as águas: hospedagem em barcos atracados é opção de lazer no litoral brasileiro

    Ideia dispensa a necessidade de carteira náutica e traz valores acessíveis para uma experiência pra lá de diferente

    Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

    Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares

    Ações de despoluição na Baía de Guanabara fazem vida marinha voltar às águas

    Expedições comandadas pelo Instituto Mar Urbano observaram mais animais na região e melhor qualidade da água